Artigos

Divulgaremos neste espaço artigos relacionados à questão da instrumentalização do ensino para fins político-partidários e ideológicos.

As páginas do EscolasemPartido.org estão abertas a todos os que tenham algo a dizer sobre o tema de que nos ocupamos, não importando a faixa do espectro político-ideológico em que se situem.


Por que a “proposta de intervenção” da redação do ENEM e dos vestibulares não deveria existir

Por Guilherme Cintra *

Na redação do ENEM e de alguns vestibulares, cobra-se o gênero dissertativo argumentativo. Nesse gênero, o aluno deve dissertar, defender argumentos para sustentar sua tese e, além disso, propor uma solução para o tema abordado [1]. Das competências cobradas na redação do ENEM, a Competência 5 estipula que o aluno deve “elaborar proposta de intervenção para o problema abordado, respeitando os direitos humanos” [2]. Com isso, se o aluno não quiser perder 1/5 do valor da redação, ele deve colocar algum tipo de proposta de intervenção para o tema proposto. Isso significa que, mesmo se suas ideias no desenvolvimento e/ou tese da redação não forem compatíveis com qualquer tipo de intervenção para o problema, ele ainda deve colocá-la.

Leia mais...

Ideologias atrapalham a educação? Sim.

Por Fernando Schüler

Resolvi conferir por conta própria. O país anda meio nervoso, pensei cá comigo, vai que haja certo exagero neste barulho todo em função da “ideologização” da prova do Enem. Lá fui eu, lembrar os velhos tempos de professor de cursinho pré-vestibular (faz tempo...) e fazer a prova. Concentrei-me na prova de “Humanidades e suas tecnologias”, e fui de espírito aberto. Nada de procurar pelo em casca de ovo. O resultado foi o seguinte: das 45 questões, 11 me pareceram claramente ideológicas. Um punhado de lugares-comuns feitos de citações de Paulo Freire, David Harvey, Slavoj Zizek, além de artigos opiniáticos em revistas como Caros Amigos e Diplomatique.org.

Leia mais...