Freire: o patrono da doutrinação

Nomeação de Paulo Freire como patrono da educação brasileira é a confirmação de que prevalece em sala de aula um modelo ideológico de ensino

JARDEL PATRÍCIO ARRUDA
Da Reportagem

A nomeação de Paulo Freire como patrono da educação brasileira foi recebida de forma antagônica em diferentes grupos dedicados a debater este tema. Entre a ala ligada à esquerda, a notícia foi comemorada como o reconhecimento de um herói e revolucionário da pedagogia. Já entre outros estudiosos, foi a oficialização da doutrinação educacional no Brasil.

“De certa forma foi uma homenagem merecida”, ironizou Miguel Nagib, coordenador do site Escola Sem Partido, referência na discussão sobre a ideologização das escolas brasileiras. “Ninguém contribuiu tanto para transformar as escolas em centros de doutrinação ideológica”, completou.

Paulo Freire é considerado o mentor da educação para a consciência política. A pedagogia da libertação, delineada por ele, é intimamente ligada ao marxismo e influenciou diretamente a teologia da libertação, considerada a representação da esquerda política no catolicismo, o chamado “socialismo cristão”.

Freire foi considerado traidor e exilado após o golpe de 1964 e retornou ao Brasil em 1980, após a anistia, e filiou-se ao Partido dos Trabalhadores. Atuou como supervisor para o programa do partido para alfabetização de adultos.

Quando o PT venceu as eleições municipais paulistanas de 1988, iniciando-se a gestão de Luiza Erundina, Freire foi nomeado secretário de Educação da cidade de São Paulo. Dentre as marcas de sua passagem pela secretaria municipal de Educação está à criação do Mova - Movimento de Alfabetização, um modelo de programa público de apoio a salas comunitárias de Educação de Jovens e Adultos que hoje é utilizado pelo Governo Federal.

Nagib afirma que a nomeação de Freire, alguém intimamente ligado ao PT e aos movimentos sociais de esquerda socialista, serve para expor a veia marxista do ensino público no Brasil.

Atualmente as escolas públicas, as quais deveriam ter a obrigação de serem totalmente isentas quanto às questões ideológicas, teriam se tornado centro de propagação do marxismo. Um aparelho utilizado para aumentar a militância na esquerda política.

Segundo ele, as crianças e adolescentes são induzidas a seguirem a corrente apresentada e defendida pelo professor.

De acordo com Nagib, quem se manifesta de forma contrária na sala de aula sofre repressão e fica inibido de exibir a opinião discordante. “Eles ainda não possuem maturidade e instrução suficiente. Os professores deveriam respeitar mais os alunos”.

Miguel Nagib ainda lembra que o movimento estudantil também foi aparelhado por partidos de esquerda, sendo utilizados como uma máquina de doutrinação, em conjunto com os professores. “Se você tenta ir a uma direção oposta, eles fazem os outros alunos deixarem você se sentir retaliado, excluído”.

Fonte: Diário de Cuiabá, edição de 29 de abril de 2012.

http://www.diariodecuiaba.com.br/detalhe.php?cod=410434

 


Tomatadas

O Blog do Diniz


De olho no livro didático

Blog do Prof. Orley


Não deixe que seu professor faça isso com você.


Denuncie!


Enfim, o tema musical da educação brasileira



Biblioteca Politicamente Incorreta

O-Guia-politicamente-incorreto-da-história-da-América-Latina


 

Popular

Novidades

Contato