Mensagens de apoio – 3

Também retirei minha filha da Escola Espírito Santo – Canoas – RS, por conta de doutrinação ideológica.

Infelizmente enquanto os “intelectualóides”do Brasil e da América Latina continuarem a transferir responsabilidade por nosso atraso aos “imperialistas americanos” o foco dos nosso problemas não será atacado, o qual está dentro de nosso próprio pais.

Trata-se da falta de interesse geral em agir para mudar a situação. Conheço muitas pessoas, ditas esclarecidas, que quanto instadas a tomar posição, protestar, agir sobre os desmandos da política respondem “não adianta fazer nada”. No momento seguinte reclamam da insegurança, da falta de investimentos em educação, da falta de investimentos em saúde, etc.etc.etc. Culpam o governo, como se o governo não fosse eleito por nós. Como se o governo fosse algo acima da sociedade, a quem devemos prestar reverência e a quem devemos ser subordinados.

A sociedade aparentemente não dá valor à liberdade de opinião, talvez porque juntamente com a liberdade seja necessário agir com responsabilidade. Melhor cobrar responsabilidades dos outros e se omitir. Gostaria que o juiz que viu na manifestação publicada em seu site fosse mais esclarecido. Recomendo que veja o filme “O Povo Contra Larry Flint”. Tavez entenda o real significado da expressão “liberdade de opinião” e entenda o que este conceito pode fazer pelo pais onde ele é aplicado.

Solicito informar se precisa de apoio financeiro para patrocinar o site ou as custas judiciais. A pergunta se estende à autora do artigo a quem me solidarizo e apoio.

Penso que se cada um que estiver recebendo este e-mail der uma pequena contribuição financeira além do apoio moral os “acusados” de falar a verdade e defendero liberalismo, a livre iniciativa e a democracia ficariam agradecidos. Júlio César Lamb. (Canoas, RS)


Fora! censura na Internet! Vamos apoiar o Escola Sem Partido, o Mídia Sem Máscara e o Usina de Letras, cujos editores sofreram ameaças processuais, por conta do cerceamento de um dos mais elementares direitos do ser humano, que é o direito de expressar livremente o seu pensamento. Félix Maier (Brasília, DF)


Sou professor universitário e sei bem o que é viver em ambiente educacional cheirando a marxismo. Solidarizo-me com vossas senhorias e peço-lhes que nunca deixem de lutar contra a corrupção escolar. Diogo dos Santos (Pereira Barreto, SP)


Não posso concordar com a lavagem cerebral ministrada aos alunos por professores de postura marxista, invertendo valores patrioticos, alterando fatos, com o propósito de denegrir outros pensamentos divergentes, outras posturas sociais. Os pais , quando colocam um filho numa escola, esperam dela, no mínimo, imparcialidade e veracidade. Não a veracidade aos olhos comunistas – estes estão sempre nublados pelo ódio, pela revolta e por uma postura visionária inconcebível em pleno século 21. Sheila Faria (Niterói, RJ)


A jornalista Mírian Macedo deve responder com uma ação judicial contra o COC. Afinal este desrespeitou a Constituição Federal e tentou enfiar goela abaixo dos filhos da jornalista uma doutrina ideológica. A carta aberta de Mírian Macedo ao COC é um irrepreensível exemplo de liberdade de expressão. Pode-se concordar ou discordar de seus termos. Mas não se pode negar o direito da jornalista se expressar. Não há qualquer insulto, apenas Mírian Macedo deixa claro que não concorda com o viés doutrinário que o sistema COC quer impor aos seus alunos. Já a prova que o COC submeteu aos seus alunos foi uma imposição ideológica sem alternativa para os discentes. É preciso acompanhar de perto o trâmite dessa ação judicial, a fim de que a Justiça brasileira não seja manipulada pelos dinossauros da esquerda. Celso Antônio (São Luís, MA)


Todo meu apoio ao texto escrito pela senhora Miriam Macedo. Sou psicopedagoga e tenho procurado esclarecer os professores com quem trabalho sobre as manipulações ideológicas das novas correntes que andam por aí (a etnomatemática é uma delas), usando algo pouco usado pelos esquerdoentes: a lógica. Tenho conseguido adeptos aqui e ali e muitos percebem como se pode entrar facilmente nas trevas da ignorância, simplesmente por não refletirem sobre o que lêem, ouvem, escrevem… Marcia Santos (Brasília, DF)


Apoio completamente a Constituição Federativa do Brasil, portanto apoio conseqüentemente o site Escola Sem Partido e os objetivos nobres do mesmo. Eliel Simão – Escritor, Cantor, Compositor, Conferencista e Empresário, natural de Florianópolis, a capital de Santa Catarina. (Camboriú, SC)


Parabenizo a sra. Miriam, mãe e jornalista, pela coragem de agir em defesa da formação moral e educacional de sua filha. Miriane Costa Ballista (Rio de Janeiro, RJ)


Parabéns pela iniciativa de divulgar o que ensinam no sistema COC. Assim os pais podem decidir melhor aonde colocar seus filhos para estudarem. Paulo (Maceió, AL)


Parabéns pelo trabalho realizado, graças a iniciativas como essa que nós podemos nos livrar da ditadura do pensamento único. Edgar de Almeida Cabral (São Paulo, SP)


Estou solidário com as pessoas e a mídia, que está sendo processada indevidamente pelo sistema COC. Michael Forkert (São Paulo, SP)


Não é com surpresa que vejo a atitude do Sistema COC contra a jornalista Míriam Macedo. O que as pessoas que representam o Sistema COC deixam claramente transparecer é a sua total aversão as diferenças de opinião. A tentativa do Sistema COC de transformar o Judiciário num tentáculo ideológico para que a suas opiniões prevaleçam, e esmagar críticos e opositores conceituais já é natimorta, pela própria concepção da palavra Justiça. O patrulhamento ideológico sofrido por Míriam Macedo engendrado pelos Engenheiros Comportamentais é um acinte ao que chamamos de Estado Democrático de Direito, e nós pais, que não entregamos os nossos filhos à Escola para serem doutrinados ideologicamente por quem quer que seja, não vamos nos calar diante de tamanha sandice. Jornalista Míriam Macedo, conte conosco. Sérgio Manchester (Rio de Janeiro, RJ)


Concordo com vocês, escola é para ensianer e não para doutrinar. Micheal Maurice Warren (São Paulo, SP)


Este é o Neo Brasil./ Pátria Amada, Idolatrada,/ Salve, salve-a quem puder. Se ainda houver tempo. Força e Luz para vocês. Maria Aparecida da Silva Nery (Florianópolis, SC)


Um absurdo este pessoal da COC. A educação neste país esta uma merda. A massa de ignorantes é impressionante e cresce a cada dia. Apoio voces e tem-se que dar um basta neste besteirol todo. Nilson Gondim (Petrópolis, RJ)


Dou aqui meu apoio ao Escola Sem Partido! O processo movido contra o site é claramente uma tentativa de censura… Aliás, tentativa de censura que sempre vem contra aqueles que dizem “verdades inconvenientes”. Engraçado que novamente vejo a história das coisas serem julgadas a “dois pesos e duas medidas”. Esse tipo de denúncia não pode nem ser considerado parte da “liberdade de expressão” da imprensa (segundo os que censuram). Mas a liberdade de expressão pode ser concedida para que professores possam, de suas bases ideológicas marxistas, fazer propaganda anti-americana e anti-cristã nas escolas, como professores que tive tanto no ensino médio como na Universidade. Devemos nós começarmos a processá-los também? Klauss P. Tofanetto (Blumenau, SC)


Muito importante o trabalho do Escola Sem Partido em barrar a avalanche ideológica, principalmente marxista, que se alastra pelas salas de aula deste país. Minha solidariedade ao Escola Sem Partido, sendo injustamente processado pelos Sistema COC de Ensino. Carlos Renato Fortes Vendramini (São Paulo, SP)


Envio esta mensagem em solidariedade ao EscolaSemPartido.org, ao seu editor Miguel Nagib e à jornalista Mírian Macedo, bem como às demais pessoas e entidades que, por falarem francamente sua opinião a respeito de um fato, têm sido constrangidos a ocultar denúncias de uma verdade aviltante, que é a deliberada deturpação da realidade para fins políticos, incutida nas mentes de nossa juventude por diversas instituições de ensino.

Qualquer sistema de ensino que se preze em um país supostamente democrático deveria estimular o confronto de idéias diversas. Deveria, também, ensinar o respeito às pessoas e mesmo às idéias das pessoas através do exemplo. Não parece ser o caso nem naquilo que se denunciou, nem nos episódios que se vêm seguindo.

Que danos morais há em se dizer a VERDADE sobre FATOS ou em EXPRESSAR uma OPINIÃO PESSOAL sobre a qualidade de material didático que nada tem de sigiloso?

Não há como não questionar a realidade democrática de criminalizar opiniões ou — pior ainda — a verdade e os fatos que se possam narrar. Querer calar quem fala tais coisas e, posteriormente, querer capitalizar-se pela via judicial — ainda mais quando por meios tão diversos daquilo que se pode esperar num Estado DEMOCRÁTICO de Direito — é acintosamente contrário ao que se poderia esperar de uma instituição de ensino, que por meio de ensino de qualidade deveria procurar obter seu lucro.

Se a qualidade é denunciada, a forma correta de evitar pretensos lucros cessantes seria corrigir aquilo que está diminuindo essa qualidade, não tentar matar o mensageiro. O que se está fazendo contra Mírian Macedo e aqueles que veicularam sua denúncia é — isto sim — ASSÉDIO MORAL, digno do mais veementemente repúdio por qualquer cidadão de bem. Paulo Pires (Rio de Janeiro, RJ)


É um barbaridade essa ação judicial que estão entrando contra você. Mas fique tranquila porque não têm como ganhar, é pura intimidação, pois você não falou nada de mais. um abraço. Luiz G. Amaral (São Paulo, SP)


Conheço bem o problema. Minha filha recebe diariamente doutrinação submarxista de professores de História, Geografia e Ensino Religioso. Ajudo-a, às vezes, nas tarefas de casa, mas minhas respostas às perguntas propostas são sempre contrárias à esperada pelo professor e autores dos livros (perfeitos manuais de idiota latino-americano). O curioso é que a escola é de orientação católica (Escola Marista, mas as demais não são diferentes). Pregam o ódio à nossa civilização e associam todos os males da humanidade ao capitalismo. Se a minha filha tenta argumentar, os seus colegas, intoxicados pela adoração comunista, reagem agressivamente. Coitados! Os garotos não são informados a respeito das tragédias do Século XX praticados pelos coletivistas e acham que os EUA são uma ditadura e que Cuba é o paraíso. Paulo Henrique Soares (Brasília, DF)


Força. Visito diariamente o blog de Reinaldo Azevedo e vi que ele aderiu à causa, denunciando o Sistema COC. A partir de agora a violência a que vocês estão submetidos ganha uma visibilidade muito maior. E a visibilidade é exatamente o que a canalha comuno-fascista mais teme. Gustavo Alberto Menescal Passos  (Fortaleza, CE)


Escola sem partido, sem ideologia, sem manusear o aluno como a quem maneja um bastão. Escola para aprender, para entender, para aplicar e para fazer crescer. Continuem com o belo trabalho pois assim ainda nos restará esperança para a nossa juventude. Muito obrigado. Ricardo (Rio De Janeiro, RJ)


Fiquei assustado com a falta clareza e desrespeito à norma culta, dos textos das apostilas do COC Pentágono apresentados por Míriam Macedo em seu artigo. Como se já não bastasse sua parcialidade ideológica, que quando não é explicita e acompanhada da visão oposta, transforma qualquer material pedagógico em um mero folheto de propaganda e doutrinação, os textos foram muito mal escritos.

Esse tipo de coisa faz com que eu perca a pressa de ver meu filho crescer e chegar à idade escolar. É triste constatar que a cada turma de professores que se forma em nossas universidades, mais e mais destes profissionais são “adestrados” pra relegar a um segundo plano suas missão de ofício – ajudar nossos filhos a desenvolver competências básicas para interagir ativamente com o mundo, se tornar adultos produtivos e capazes de pensar por si mesmos. Tal obrigação é freqüentemente substituída por um suposto compromisso com a “transformação social”,com a “formação da cidadania plena”, ou algum outro clichê politicamente correto. Como se fosse possível esperar uma postura crítica, consciente e transformadora, de alguém que não domina a linguagem escrita, se atrapalha com os rudimentos da lógica matemática, acha que reclamar é o mesmo que lutar por direitos e só conhece o significado dos fatos históricos segundo a visão de uma única corrente ideológica!

Mas tudo bem, essas apostilas são de uma instituição comprometida com o “adestramento” para a realização do vestibular e não devem ser vistas como nada alem disso. É isso que a maioria dos seus clientes espera dela. Se o Brasil não mudar de rumo nas próximas duas décadas, eu também serei obrigado a dizer por meu filho: “essa é a versão dos fatos que agrada a banca do concurso, marque “x” na opção que disser isso, embora seja apenas a opinião deles e tal corrente diga o oposto”.

No vestibular de 2005 da UFSM eu fui obrigado a marcar como certa uma opção que considerarava MST, FARC e Movimento Zapatista, como focos legítimos de “resistência ao imperialismo” se o candidato soubesse locar no mapa os infelizes países que abrigam tais movimentos. Eu queria uma segunda graduação e, como não estava diante de uma questão dissertativa, marquei a alternativa coerente com a visão esquerdista de “imperialismo” e “legitimidade”, embora eu ache absurdo considerar movimentos que traficam drogas, seqüestram e destroem propriedades, como “legítimos”.

Se o COC coloca esses conteúdos em suas apostilas por pragmatismo, parabéns, está apenas se adequando ao mercado, mas que deixe isso claro. Por outro lado, se acreditam realmente que um material de propaganda ideológica pode receber o status de “conhecimento”, sem ser comparado com visão oposta, é lastimável e nunca terão um centavo do dinheiro que pretendo gastar com a educação do meu filho.

A apostila do COC não é um caso isolado e serve para eliminar qualquer dívida de que a educação de nossos filhos é algo muito sério pra ser deixado a cargo da escola. Mas quando uma opinião contrária, destituída de qualquer ofensa ou calúnia, pode gerar uma ação judicial, passamos a ter muito com o que nos preocupar. Será que no futuro poderemos ser processados pelas escolas dos nossos filhos, quando dissermos que algo que lhes foi ensinado é uma grande besteira e não passa da opinião parcial e mal fundamentada, de um professor medíocre? Alexandre Pereira (Santa Maria, RS)


Prezada Miriam, Parabéns pela coragem em retirar sua filha do colégio. Parabéns pelo texto. Diz um amigo “O diabo não perturba quem está no erro, já Deus utiliza de meios (a senhora no caso) para pertubar as consciências”. A senhora os perturbou. Eles estão perturbados. Vão continuar perturbados. A conciência os acusa, mesmo sofismando. A verdade permanece, mesmo desconstruindo e tentando construir a história, como querem fazer. ELES ESTÃO PERTURBADOS. Coragem. Paulo José Lima Rocha (Pindamonhangaba, SP)


Acompanho a defesa soberana, justa e íntegra, feita por vocês, do verdadeiro ensino, sem ideologias e maniqueísmos, que deveria estar sendo aplicado na formação de nossos filhos. Sou solidário com todos aqueles que defendem a liberdade, a democracia e a família. A Justiça brasileira, que é ainda a última esperança de muitos neste país carente, não servirá de arma para calar a voz da maioria e da verdade, nem de tapume que permita a alguns lucrarem com as armas da prepotência, da ganância e do autoritarismo. Pedro Afonso, Engenheiro Civil (Rio de Janeiro, RJ)


Manifesto meu apoio e total solidariedade à jornalista Mirian Macedo e ao EscolasemPartido.org. Jair Cini (São Paulo, SP)


Parabéns ao site “EscolasemPartido” e à jornalista Miriam Macedo. Há tempos que o Brasil precisava de gente como vocês, para combater o doutrinação socialista que tomou conta do nosso ensino. Ainda não tenho filhos mas, quando os tiver, procurarei conhecer o método de ensino e o material didático das escolas onde estudarão. Não permitirei que virem “papagaios” do Fidel, ou do Chávez. Eles deverão conhecer os verdadeiros fundamentos da democracia, calcados na liberdade de expressão e no respeito às leis.Não os quero presas de grupelhos barulhentos e articulados que se arrogam donos da verdade e da ética, enquanto fecham os olhos para as bandalheiras de seus “companheiros”. Marcelo Paschoal (Campinas, SP)


Declaro meu apoio ao escolasempartido e à jornalista Miriam na nobre luta contra a ideologização esquerdista do sistema de ensino brasileiro. Felipe José Mendes Teixeira (Rio de Janeiro, RJ)


Ignoro o fundamento último que leva os diretores pedagógicos do COC a processarem a jornalista Míriam. Talvez uma indisfarçável má-fé combinada com uma estultícia atroz, momentaneamente escondida por trás de seus títulos acadêmicos, tudo isso envernizado por uma grossa camada de sanha vingativa de quem se sabe não ter razão. Arre!! Nem o Diabo imaginaria cousa pior para nossos cândidos estudantes do COC. Fosse eu a jornalista, processá-los-ía, por seu turno, pelas normas do Procon, que admite indenização pela entrega de serviço mui mal prestado. Estão vendendo gato por lebre no COC. Lá desensina-se. Alerta! Que seja esta própria instituição processada judicialmente por isso. E que deixem a Míriam e todos os que lutam bravamente contra a “indoctrinação” nas escolas em paz. Ulisses Papa (Santa Mariana, PR)


Parabéns pela sua coragem em denunciar a tentativa de se destruir a educação e os educandos brasileiros, que já perdura há cerca de 40 anos! Feito por professores que desconhecem fatos históricos e, em grande número, desconhecem o que deveriam, nas disciplinas que lecionam, atuando como ‘papagaios socialistas’. Parábens, também, pelo site e pelo ‘Decálogo do Professor’ ! Jurandir Bulla (São Paulo, SP)


Acabo de ler a o texto “Luta Sem Classe”, da jornalista Mirian Macedo, e constato, perplexo, que os trechos selecionados pela jornalista, provenientes das apostilas do colégio Pentágono – COC, são ruins até mesmo como Marxismo. São ruins e ingênuos, pois tentam expôr a teoria da História segundo Marx como se fossem fatos, e não interpretações de fatos. Não têm consistência nem como discurso de esquerda. Já vi coisa mais bem escrita pelo João Pedro Stedile. Se a intenção do colégio é ensinar Marxismo, então que: 1) avise aos pais que utiliza a perspectiva marxista da História (em vez de ensinar como se fossem fatos estabelecidos e leis da Natureza) e 2) que os professores leiam algum esquerdista melhorzinho – Caio Prado Jr. por exemplo, e não Marilena Chauí. Se é pra doutrinar, que doutrinem direito. Picaretagem tem limite. João Spacca de Oliveira (São Paulo, SP)


A doutrinação esquerdista via educação é uma estratégia que sendo utilizada a décadas. Portanto, a iniciativa do movimento Escola Sem Partido é meritória e urgente. Parabéns a jornalista Miriam Macedo pela coragem e discernimento. Cylleno Copia (Rio de Janeiro, RJ)


É vergonhosa essa atitude do COC. Além de incentivar a (…) e a revolução entre os alunos eles processam jornalistas sérios. Vou encaminhar essa notícia para todos os alunos do COC que eu conheço para se informarem um pouco mais sobre a escola onde estudam. Fernanda Nogueira (Goiânia, GO)


Dizer a verdade agora é “ofender”. O Sistema COC de Ensino recorre à justiça para tentar censurar a jornalista Mírian Macedo, em mais um episódio de autoritarismo vindo de “garotos propagandas” do marxismo (aliás, acho que não podíamos esperar nada além disso de simpatizantes dessa ideologia genocida). Tenho 19 anos e, graças à Deus, estou livre dessa propaganda marxista que vejo todos os dias no colégio. Me enoja que todos os meus professores tentem empurra goela abaixo à classe, todos os dias, que o “capitalismo é culpado por todas as mazelas do mundo”. Deveriam sim incentivar o espírito crítico e dar condições dos alunos pensar por si mesmos. A jornalista tem meu total apoio nessa tentativa de censura. Thiago Beserra Gomes (Recife, PE)


Acredito que o nosso sistema judiciário ainda possui ética e analise as provas com a imparcialidade devida. Abraços a todos que trabalham na construção deste importante sítio de debates sobre a educação brasileira. Elísio Moura Barros (Rio de Janeiro, RJ)


Gostaria de manifestar-lhes meu apoio ao trabalho desenvolvido. Não tenho filhos ainda, mas sempre me preocupei em como irei educá-los para evitar-lhes o sofrimento educacional marxista a que foi submetido nas aulas de história no 2º grau de meu colégio. Tal ensino apenas me afastou da religião apesar de ter estudado numa escola católica. Apenas com muito esforço próprio de minha parte é que consegui entender o quanto isto faz parte de uma doutrinação ideológica. Avante ! Não desistam!

Obs: Cheguei a ler a réplica do pentágono. Reparem que os próprios educadores afimam que há duas linhas de interpretação da história. Porém, eles só ensinam uma, nem mencionam aos alunos que há uma segunda, o que em si é uma contradição e uma confissão de doutrinação pelo colégio. Alexandre Herrmann Costa (São Paulo, SP)


Solidarizo-me com a posição do site e elogio sua disposição em desmascarar tais enganadores. Lucio Menezes (Brasília, DF)


Infelizmente, o que está escrito no artigo sobre os educadores do Brasil é verdade. Por isso, estou sendo solidário à Mírian (escolasempartido.org), que está fazendo um contrapeso a tantos professores comunistas existentes nas salas de aula. Em toda minha formação a grande maioria dos professores(principalmente no cursinho) tentaram impor suas ideologias apoiadas no marxismo e o pior, depois que entrei na Faculdade de Engenharia de Guaratinguetá (UNESP), encontrei professores que apoiam esse “bando”! Fiquei assustado, ainda mais quando encontro estudantes apoiando e acreditando nos docentes cegamente, sem buscar informações para terem suas interpretações do assunto. Pra mim, essas ideologias nunca levarão nosso país pra frente como a história já vem dizendo há muito tempo com seus exemplos(até atuais) de Cuba e Venezuela! Gostei muito da idéia do site EscolasemPartido.org. Debones dos Reis(Guaratinguetá, SP)


Solidariedade e apoio irrestritos à Mírian Macedo. Eu também sofri nas mãos de gente assim: melhor que amarrassem uma pedra ao pescoço e se atirassem ao mar. Rafael Plácido (Florianópolis, SC)


Meu irrestrito apoio a todos quantos se levantam contra o monstro do totalitarismo marxista, como a jornalista Miriam Macedo. Como disse Tiago de Melo: Faz escuro, mas eu canto!! Continuemos cantando pela liberdade das idéias despidas do atraso e das correntes esquerdistas. Vilder F.P.Alberto (São Paulo, SP)


Cara Miriam, Parabéns pela denúncia! Prossiga. Não se intimide. Flavio Prestes Neto (joinville, SC)


Dou meu total apoio à jornalista Miriam Macedo. É um absurdo que atitudes desse tipo venham daqueles que deveriam- através da educação- estimular o convívio democrático no nosso país. Ricardo Linharesda S. Rossi (São Bernardo do Campo, SP)


Caros amigos do “Escola sem Partido”, Antes de mais nada , meus sinceros parabéns pelo brilhante trabalho que vocês vêm realizando no combate à tão descarada e vagabunda doutrinação marxista/gramsciana que, infelizmente, infesta já há tempos as escolas e universidades de nosso país. Quero, no entanto, parabenizar especialmente Mírian Macedo, por sua atitute firme e corajosa, ao denunciar com veemência e lucidez a lavagem cerebral que o Sistema COC de “Ensino” impinge a seus estudantes, de modo que o mais justo seria chamá-lo de Sistema COC de DESENSINO. Força, Mírian, não abaixe a cabeça jamais! Continue firme que a sua causa é absolutamente justa, e saiba que não estás, de modo algum, sozinha nessa luta! Alexandre (Salvador, BA)


Minha solidariedade à jornalista Mirian, e a todos os envolvidos neste site. Como professor, coordenador de escola e filósofo, digo que o artigo alvo de ação judicial por parte do sistema COC é extremamente responsável, ético e verdadeiro. Vem acrescentar à democracia e ao debate sincero num país de bandidos e corruptos como o Brasil.

Saibam, todos que defendem a liberdade de expressão e a Verdade acima de tudo, que estou com vocês e faço votos de que o sistema COC não apenas obtenha fracasso na ação que ajuizou, como também aprenda a lição de que nesta nação ainda prevalece a justiça. Meus cumprimentos aos corajosos de plantão. Tiago Amorim (Curitiba, PR)


A reação da citada instituição de ensino foi absurda, digna de republiquetas de bananas, onde tudo é faz de conta. Qualquer pessoa que já teve em mãos ou estudou com o material (empulhação) dessa (…) instituição, qualquer pessoaque tenha o mínimo discernimento, percebe que aquilo não presta, só serve à desinformação e doutrinação. Roberto Ramos Junior (Amparo, SP)


Meu apoio total. Temos que livrar nossas escolas dessas apologistas para Marxismo. Janet Rocha (Salvador, BA)


O direito à informação é ainda garantido pela Constituição Federal. Os meios pelo qual se exerce dizem respeito única e exclusivavmente ao indivíduo, ou, sendo ele menor de idade, a seus pais. Continuem nessa luta. Elpídio Mário Dantas Fonseca (São Paulo, SP)


Manifesto minha solidariedade ao site ESCOLAS SEM PARTIDO e a jornalista Mírian Macedo que estão sendo processados pelo Sistema COC de Ensino (Colégio Pentágono) pelo motivo desta ter externada a sua consternação e reprovação da exótica linha pedagógica da citada escola e, ao site Escolas Sem Partido por ter publicado a manifestação da jornalista e mãe. Luiz Alberto Mezzomo (Curitiba, PR)


Viva a liberdade de expressão. Pelo acesso de todos a todas as informações e não apenas àquelas que interessam aos educadores. Ronaldo Segundo (Vitória, ES)


Senhora Jornalista Mírian Macedo, bom dia! É vergonhoso o que essa gente da COC, tenta fazer com a Senhora. Como sei que a Senhora sabe, é próprio da ideologia dessa gente não aceitar críticas. Vamos acreditar na Justiça, apesar de contaminada, que tamanha aberração não proceda. A Senhora e o Escola Sem Partido merecem o apoio e o agradecimento de todos nós brasileiros. Venho, desta forma, prestar-lhe o meu pequeno apoio e solidariedade. Não se deixe intimidar, eles querem é calar as poucas vozes de poucos verdadeiros patriotas. PARABÉNS! Antonio de Brito Carvalho (Teresina, PI)


Sou professor universitário e vivo dentro de um dilema monstruoso, pois simplesmente discordar dos meus pares, marxistas e frankfurtianos até a medula, já provoca neles afetações de indignação. É comum afirmarem que não há Verdade ou Justiça, e como são adestrados nas escolas citadas, eles espinafram qualquer um que ainda acredite que há uma Verdade e uma Justiça que ultrapassa a própria idéia de civilização. São boquirrotos e semi-analfabetos, pois ao empurrar seu relativismo em cima dos outros, imediatamente criam uma enorme contradição, pois não aceitando que há uma Verdade acima do juízo humano, tornam-se eles próprios uma porta-vozes da uma verdade biônica que os alunos devem aceitar de bico calado. Depois de alguns anos, o estrago mental pode ser tão grande que não tem volta. É a ditadura do relativismo. Alguns professores realmente estão convencidos que são a medida do universo, a proporção áurea nos assuntos ideológicos e pedagógicos.

Essa incoerência entre a administração e o corpo docente (ou indecente) é encontrada na própria vida de determinados professores, que embora tenham seu carro zero km, seu PDA, seu laptop, seu apartamento, ficam se babando e se derretendo por escórias como Fidel, Morales e Cháves. Outros não chegam a tanto mas ainda mantém um obsequioso respeito por essas abonimáveis figuras. Não ser de esquerda e ser professor no Brasil é um exercício de paciência. Dou meu apoio a iniciativa de vocês e jamais esmoreçam, mesmo com essas estapafúrdias ameaças jurídicas. Ainda há o Estado de Direito e devemos nos apoiar nisso. O ativismo judicial precisa ser utilizado contra os doutrinadores e não somente a favor deles. Fabio de Andrade (Jundiai, SP)


Dou todo o meu apoio inconteste à jornalista Mírian Macedo pela sua coragem em denunciar essa turba ignara marxista, que usa dos meios mais esquálidos para intimidar quem está do lado da verdade! Olavo Carneiro Jr. (São Paulo, SP)


Toda força para vcs. Meus filhos estão terminando faculdade particular e tem suficiente informação para discutir diretamente com “professor” que tem a cara dura de dizer em classe: a desertificação do nordeste brasileiro foi causado pela monocultura da cana!!! Mas o que ocorre com o caso específico de vcs é de dar um nó na garganta. Tá loco! Ademir João Peruzzolo (Palmeira das Missões, RS)


Eu, como ex-aluno do sistema COC, venho expressar meu apoio a jornalista Mirian Leitão. Pois fui “vitima” das aulas recheadas de ideologia marxista, principalmente nas matérias de geografia e história. Como na época não tinha uma conciência politica formanda (estava no segundo grau), engolia aquele monte de bobagens e ainda considerava as aulas interessantes. Hoje relembrando aquelas bobagens ministradas, tenho que admirar a postura da jornalista pela coragem de emitir sua opinião, enquanto vivemos em nossas escolas o terrorismo ideológioco da esquerda falida. Julio César Cazaroto (Andradas, MG)


Parabens a jornalista, e ao trabalho que os senhores prestam a sociedade brasileira, já tão dramaticamente atingida por ideologias esquerdistas nefastas. Marcelo Prieto (São Paulo, SP)


Tenho 44 anos de idade, empresário comercial, casado e com um filho… Tardiamente formei-me em Direito (ITE de Bauru) e pude confirmar o que o ‘Escola sem Partido’ já vem há muito tempo simplesmente mostrando, ou seja, que o ensino de matérias (sejam elas quais forem) de cunho humano se dá pela ótica da ideológia, notadamente de esquerda em muitas escolas e academias do terceiro grau transformados que foram por certos professores em verdadeiras ‘madrassas’ ideológicas…

Durante cinco anos vi professores jogarem no lixo teses aceitas mundialmente como corretas pois estavam fundamentadas no exercício e no desenvolvimento do ser em sociedade por teses que pugnam pelo coletivismo puro e simples onde o indivíduo deve se anular ou ser anulado se divergir da ‘maioria’…

Vi professores pregando o ‘direito achado na rua’ que subverte e modifica institutos como o da legítima defesa onde a vítima se torna ‘culpada’ devido à ‘exclusão social’ sempre usada como ponto para se atenuar a culpa do agressor transformado ele sim em ‘vítima da sociedade’…

Tive aulas com professores de direito ambiental que diziam que uma ‘orquídea’ tinha mais valor para a sociedade que um ser´humano!

Foram cinco anos onde com raras e nobilíssimas exceções meus colegas (bem mais jovens do que eu) e minha pessoa fomos bombardeados durante cinco anos não com teses do direito e seus fundamentos clássicos mas com uma verborragia ‘socialisteira’ que emanaria de ‘um novo direito’, ‘não-legalista’ ou ‘não-garantista’ para ‘estar mais próximo do povo’ e se necessário ‘mesmo contrariando a lei’!!!

Quando professores fazem da sagrada cátedra um mero palanque onde, jocosos e senhoriais, tentam enxaguar cérebros quase imberbes para cooptarem suas almas com o escopo de ideologizá-los para suas ‘causas’ pessoais; é mesmo o fim da escola e do pensamento nas academias!

Ai, repito, ai daquele que ousasse divergir por exemplo da politica de cotas entre outros! …Era imediatamente tachado de ‘racista’ sem direito ao contraditório!!

Não e não… O Sistema COC de ‘Ensino’ e suas ‘apostilas’ não passam de uma correia de propaganda ideológica que visa a implantar nas pessoas a linha do pensamento único que não comporta ‘verdade’ ou contestação em sentido contrário!

O triste, o ruim, é que eles estão conseguindo…

Este processo movido contra esta jornalista é apenas mais uma contração de uma serpente prestes a eclodir do ovo do totalitarismo ao qual seus ‘pais’ julgam ser um ‘nirvana’ para todos mas não passa de um inferno onde a liberdade do ser, do homem, do indivíduo é historicamente solapada e nome do ‘coletivo’ para ser em verdade um regime de exceção das liberdades e do pensamento onde apenas uma minoria vicejará às custas de todos! Paulo Boccato, Bel. em Direito e mestrando em Direito Constitucional (São Carlos, SP)


Moro em Osasco, minha filha fez cursinho pré-vestibular na escola COC aqui da região. Interessante, esse pessoal de esquerda é contra a “doutrinação” religiosa nas escolas, que poderia, cercear a liberdade de pensamento dos alunos, mas a favor da doutrinação ideológica, para abalar e derrubar de vez os valores éticos e morais de nossa sociedade, o pior, este tipo de doutrinação também se espalha na grande rede de ensino dos Municípios e Estados. Pobre do Brasil. Adão Ezequiel de Assis (Osasco, SP)


Prezado Nagib, Meu total apoio e solidariedade ao senhor bem como à jornalista e mãe Miriam Macedo em relação ao absurdo processo empetrado pelo sistema COC de ensino à Escola Sem Partido, bem como os demais órgãos/sites que estão na mesma luta contra a inconcebível doutrinação ideológica. Fui professora de Inglês em cursinhos de preparação pré-vestibular e senti na pele a hostilidade de meus colegas que carregavam a bandeira Gramsciana/Marxista, por eu não aceitar suas ideologias. Não me intimidei jamais e fiz tudo que estava ao meu alcance para reverter a lavagem cerebral que faziam em nossos alunos. Estarei incansavelmente divulgando seu apelo a todos por email bem como pessoalmente. Tenha certeza de que venceremos juntos esta batalha. Lia Rossana O. de Lima (São Paulo, SP)


Gostaria de manifestar meu apoio à Jornalista Míriam Macedo, ao EscolasemPartido.org, e aos outros que divulgaram seu artigo (“Luta sem Classe”). Apóio também a defesa dos diretios de liberdade de expressão e pensamento, imprescindíveis para a manutenção de um Estado democrático e de direito. João Ricardo Pereira Turini (São Paulo, SP)


Fico pensando em meu neto que nasceu há seis meses. Que futuro negro o espera e aos de sua geração? Assim também como ao pai dele. Pelo amor de Deus. Será que não há realmente uma saída? Os formadores de opinião do país (donos dos meios de comunicção, os Chico Buarque, Jô Soares, LF Veríssimos, Sabatella, etc…) não vêem o que esta acontencendo? Ou então eles acham que vão fazer parte da classe dirigente do partidão. Que ilusão! Apesar de não ter mais esperança que de alguma maneira isso se reverta, meu inteiro apoio a vocês, e que não esmoreçam. Antonio Lucio da Veiga Cabral Filho (São Gabriel, RS)


Parabéns a jornalista Mírian Macedo pelo excelente artigo “Luta sem classe”!! E acrescento mais um dado: os jesuítas foram expulsos do Brasil pelo Marquês de Pombal. Qual o motivo? Ora, os jesuítas defendiam os índios e os negros… os catequizavam, ensinavam e batizavam (só pode ser batizado quem tem alma). Ter que ler numa apostila que a Igreja considerava os negros como inferiores por não terem alma é caso pra se entrar com processo no Procon. Pois o COC é um prestador de serviço… e está prestando o serviço de maneira péssima. Eduardo Monteiro (Piracicaba, SP)


Presto meu apoio ao direito de livre expressão para artigos como o que criticou o sistema COC de ensino. Sou professor de Sociologia e fiquei chocado ao saber que o sistema COC não se deu por satisfeito em publicar sua resposta à crítica, no que tinha todo o direito, mas recorreu à justiça a fim de calar e intimidar os críticos. Isso mostra que a proposta do site Escola sem Partido é importante, pois o sistema COC forneceu um exemplo do que infelizmente está ocorrendo muito na nossa educação: parcialidade ideológica, falta de pluralismo, falta de respeito aos valores democráticos e à liberdade de expressão. Hiranclair Rosa Gonçalves (Foz do Iguaçu, PR)


Venho me solidarizar ao escola sem partido nesse caso em que estão sendo processados injustamente. Também gostaria de parabenizá-los pelo trabalho pois já era tempo de alguém fazer algo do tipo, afinal a desinformação e ideologização patrocinada nas aulas de História e afins é brutal.

Falo isso porque quando fui aluno também observei tais fatos e hoje penso que eu é que também deveria ter reclamado (se tivesse mais informações)na escola ou com os professores que me deram aula, ou seja, o sistema COC teria que rever seus conceitos e seu conteúdo.

Exemplo nas aulas que tive é uma crítica constante ao capitalismo, só que os professores nunca critcaram o socilaismo/comunismo. E só recentemente fiquei sabendo que o comunismo matou 100 MILHÕES de pessoas. Nas aulas era assim, caiu o muro de Berlim, ninguém explicou porque, o significado e pronto acabou.

A ditadura brasileira também é condenada, acho que deva ser em muitos pontos mesmo. Só que não falam qe a pior e mais sanguinária ditadura da América Latina é a de Fidel Castro em Cuba, país que muitos professores nutrem admiração.

Ou seja é notória a ideologização das aulas de Humanas. Acho que os professores da área deveriam ampliar um pouco suas visões. A formação marxista/gramcista que tiveram quando acadêmicos é a grande responsável por isso.

E o sistema COC de ensino deveria respeitar o empresariado que geram empregos, pagam impostos e impulsionam o país. Muitos desses empresários são pais de alunos e o próprio sistema COC se fez graças aos seus próprios donos que são empresários da educação. Augusto Araujo de Oliveira (Campo Grande, MS)


Essa história é antiga. Eu já tinha detectado isso há algumas décadas. Essa contaminação ocorre em todos os níveis do ensino e é a responsável pelo nível miserável em que se encontra o desenvolvimento econômico do Brasil e de outros países. A maioria desses políticos e burocratas que nos governam, hoje, foram no passado contaminados nos bancos escolares pelo maldito vírus do socialismo marxista que agora colocam em prática. Somente eleitores assim doutrinados ou com os olhos tapados votam nesses políticos. E o vírus vai passando de geração em geração. E o Brasil vai perdendo uma oportunidade após outra de se tornar um país próspero e decente. E o vírus vai mantendo a perpetuação da miséria.

Não posso me furtar ao dever de ser solidário a este site e a outros semelhantes na luta contra esses movimentos que conduzem os povos a repetidos fracassos econômicos no decorrer da História. Coloco-me a disposição para colaborar no que for preciso. Sou um pequeno empresário e publiquei um livro sobre esse tema: Título do livro: é por isso que o Brasil não vai. Editora: AGE. Francisco Sávio Rypl (Canoas, RS)


Estudei no COC Ribeirania (em Ribeirão Preto) no 3º colegial, sou grato a um professor de história por tanto criticar a Veja e elogiar uma tal revista chamada Caros Amigos, desconhecida por mim na época, os elogios foram tantos e tão frequentes que achei que por bem deveria conferir, sempre levei indicação de professor a sério. Obviamente a revista mostrou-se para mim uma peça de museu viva, e ao menos me serviu como objeto de estudo efetivo da história na medida que ali desfilavam todas as idéias antiquadas e curiosas aberrações de cuja existência sempre tinha ouvido falar, sob o nome de comunismo. João Berná Guerra (Guarujá, SP)


Eu estudo no COC, e infelizmente notei isso já faz algum tempo. Cheguei a comentar com meu pai, mas ele não deu bola. Por exemplo, a minha professora de redação, não me recordo do nome agora, está abordando o tema aborto e tá passando um vídeo para nós do programa “Saia Justa” da Globo News, ela tem a cara de pau de ficar o tempo todo tentando influenciar nossas opiniões a favor do aborto, é muito nojento o que ela faz! Não tem a coragem de expor os dois lados, sóexpõe o lado que ela acha certo. Mais triste ainda é eu ter que estudar lá. Dinessa C. (São José do Rio Preto, SP)


Por entender que a jornalista foi coerente em suas afirmações e exerceu com excelência sua profissão, buscando o caminho da verdade, afirmo minha total solidariedade e respeito. Silvana Aparecida de Sousa Reis (Varginha, MG)


Registro aqui minha solidariedade nesta luta que é a de todos os brasileiros amantes da liberdade e da justiça. Abaixo as ideológias totalitárias e os que as defendem! Quintino (Recife, PE)


O fato é que assim como o grupo COC, outras empresas também empregam e remuneram um monte de gente que adora criticar e se possível esmagar o que eles chamam de PODEROSOS. Ora, não estão contentes com o emprego, pois então saiam ao invés de ficarem denegrindo a quem lhes paga salário!!! Octavio (São Paulo, SP)


Parabéns pela iniciativa deste site de tentar conter essa doutrinação absurda que ocorre em nossas escolas. Como faz pouco tempo que terminei o ensino médio (4 anos), ainda estou passando por um processo de “desintoxicação”, no qual muito ajudou o site mídia sem máscara, um dos sites que publicaram seu texto, além de alguns de meus professores de economia da UnB, que ainda tentam manter a honestidade intelectual em face à toda a esquerdização do pensamento acadêmico brasileiro. Guilherme Guedes (Goiania, GO)


Prezados, é realmente um absurdo o caso do processo iniciado contra “Escola Sem Partido”, perpetrado pelo Sistema COC de Ensino. Vos digo que sofro com a constante doutrinação na minha universidade (Gama Filho), sou graduando em História e 90% dos professores são doutrinadores gramscistas declarados e 99% dos alunos nem sabem o que isso significa, aceitando tudo que os “mestres” falam sem o mínimo de senso crítico. Penso que além da arma de denunciar os abusos, deve haver um esforço para tirar os estudantes do lamaçal da ignorância, explicando o que significa para a educação e sociedade a doutrinação em escolas e universidades.Quero deixar aqui minhas congratulações pelo trabalho realizado neste site, e garantindo o meu apoio em divulgá-lo.Cordialmente, Felipe Siqueira (Rio de Janeiro, RJ)


Caros Miguel e Míriam, tenham a certeza de que estão no caminho certo pois suas atitudes estão incomodando a monstruosa e poderosa rede criada nos moldes de Gramci. Não se intimidem com o ódio destilado por estas pessoas habituadas a uma sociedade anestesiada pela manipulação esquerdista! Parabéns por esta fantástica iniciativa de tentar livrar nossas crianças desta aberração que é a lavagem cerebral em escolas e universidades brasileiras. Eu, como pai de duas crianças, me sinto orgulhoso de saber que em nosso país existem pessoas como vocês! Me sinto um tanto aliviado. Continuem assim! Não retrocedam! Alexandre Santiago (Rio de Janeiro, RJ)


Não só solidarizo-me com a Miriam, com também com todos da “Escola sem partido”. Estou muito apreensivo pois tenho filho ingressando na Universidade e vivo o problema do esquerdismo nestas instituições sendo que tenho atritos devido a minha posição de “direita” contra a total desinformação jogada como cachoeira de verdades e “Bom mocismo correto”. Portanto vocês têm o meu total apoio e solidadiedade. Sigam no caminho de insistir e teimar em ser do Bem. Sucesso. Paulo (Rio de Janeiro, RJ)


Inicialmente, meus parabéns pela notável iniciativa. Não tenho dúvidas quanto a nocividade desta espécime de “pedagogia” – pérfida e semeadora do velho marxismo. Que Deus proteja nossas crianças! Gilberto Dal Pont (São José dos Pinhais, PR)

________________________________________

Esta mensagem tem por objetivo me solidarizar com a jornalista Mirian Macedo e o seu artigo “Luta sem Classe”, disponibilizado no site escolasempartido.org e mídiasemmáscara.com.br. Primeiramente gostaria de vir a público congratular a bela iniciativa dos sites, que têm feito duras críticas a um fato pouco noticiado na grande mídia mas que tem enorme efeito sobre nosso país. Trata-se da doutrinação ideológica que nossas instituições públicas e privadas de ensino têm exercido sobre nossas crianças.

Enquanto cientista político sei o poder que as ideologias têm sobre os indivíduos, sei o quanto elas podem moldar nossas ações e nossa forma de ver o mundo, eu próprio já fui uma destas vítimas, por isso vejo com preocupação o fato de que algumas destas ideologias sejam colocadas em prática em sala de aula e de maneira maniqueísta, em vez de serem ensinadas num contexto pluralista, de maneira a mostrar que não existe apenas uma forma de se abordar determinados temas.

Não sou pedagogo mas sei o suficiente sobre o tema para dizer que os alunos, principalmente do ensino fundamental e básico, não detém os conhecimentos prévios necessários para se defenderem da doutrinação ideológica que vem sendo promovida nas escolas.

Max Weber já nos alertava sobre o poder que o professor tem sobre os seus alunos em sala de aula, principalmente o de intimidação. Por isso é dever de todos, principalmente dos pais dos alunos, ser informado sobre o que está sendo ensinado aos seus filhos e a forma que isto é feito. Neste caso a jornalista Mirian Macedo exerceu um duplo papel, o de mãe e o de jornalista, e acrescento que, ao meu ver, ambos foram praticados com grandiosidade.

Processar a jornalista por danos morais é simplesmente transformar a vítima em réu, ela sim deveria estar processando a Instituição de Ensino pelos danos que a doutrinação ideológica pode ter causado à moral ainda em formação de seus filhos.

Caso a justiça brasileira dê ganho de causa à tal Instituição de Ensino, pode reitirar apenas uma conclusão. Nossos juízes já são eles próprios vítimas da doutrinação ideológica, e agora agem não como magistrados, mas como justiceiros da mesma ideologia que a jornalista Mirian não quer para seus filhos.

Um grande abraço a todos dos sites Escola sem Partido, Mídia sem Máscara,à Jornalista Mirian Macedo, e à todos aqueles que ainda sonham com um país justo e democrático. Everaldo Corrêa de Moraes, Mestre em Ciência Política (Brasília, DF)


Admiro a coragem de Miriam Macedo, e acredito que ainda existe justiça no Brasil. Cleusa Vilas Boas (S.Caetano do Sul, SP)


A luta é hercúlea, mas não podemos desistir pura e simplesmente do nosso torrão. Lutem no campo das idéias que certamente, quando chegar a hora, os verdadeiros brasileiros, que silentes e angustiosos suportaram todo tipo de ignomínia e escândalo à lei, se levantaram com braço forte contra a tirania da opinião venal e da relativização da moral e da ética que graça no nosso tão sofrido pais e que ameaçam às liberdades individuais, as instituições democráticas e a opinião daqueles que possuem a luz histórica do tenebroso legado Maxista. Plínio Falcão (Rio de Janeiro, RJ)


Fatos similares aos denunciados por esse site e essa jornalista ocorrem com a escola onde meu filho estuda. Escola do sistema do ensino arquidiocesano e portanto católica ligada a igreja tem o departamento pedagógico completamente tomado por revolucionários satânicos. Minha solidariedade à senhora. Ballona (Belo Horizonte, MG)


Parabéns pela luta contra o marxismo. Não desanime. O judiciário há de impor a verdade. Augusto (CURITIBA, PR)

Continua

Deixe uma resposta