Depoimento de H.N.P.M. (29.10.2016)

Gostaria de contar meu relato a respeito de meu professor esquerdista, cuja aula é de português, entretanto há dias em que ele se esquece que é um mero professor de português, não um emo militante esquerdista, pois apesar de não ser todo dia, ele simplesmente para de falar do assunto referente à aula e começa a falar:

– O quanto ele ganha mal, e que o Alckmin é um corrupto reacionário golpista como o Eduardo Cunha que repete a máxima esquerdista de “golpe”;

– Comentários depreciativos contra o empresário Donald Trump, e seus “planos” para invadir a Amazônia e seus planos “xenófobos”;

– Como as “elites” americanas não querem o fim do armamento do povo americano e que tudo isso só serve para matar os pretos que vivem lá;

– O governo “legítimo” de Chávez, as “maravilhas” de Cuba e os documentários “anti-establishment” de Michael Moore;

– Incitação à revolta e à ocupação das escolas técnicas e apoio discreto às ocupações das escolas depois da reforma feita pelo governo Temer.

Gostaria de saber se há algum tipo de ferramenta para barrá-lo, pois apesar dele já ter freado a sua “metralhadora de merda” a pedido de certos alunos, ele não parou totalmente e ainda tem certa popularidade com os alunos, em especial os esquerdistas, e os que não gostam dele, mas são neutros preferindo não intervir. Mas não aguento ficar ouvindo opinião alheia especialmente de um esquerdista. Métodos utilizados anteriormente como não comparecimento às aulas dele e a recusa de participar de sua aula não funcionaram. Há alguma coisa que possa ser dita na frente dele da qual não resulte em “penas” contra mim?

Deixe uma resposta