Professores da UFBA apóiam doutrinação em livro didático

Finalmente, a grande imprensa começa a despertar para o problema da doutrinação ideológica nas escolas. As denúncias de Ali Kamel no Globo provocaram uma onda de indignação nacional. O assunto é objeto de reportagens e discussões públicas em todo o país.

Ao mesmo tempo, sentindo-se ameaçado, o monstro coletivo-totalitário que seqüestrou a educação brasileira contra-ataca em diversas frentes.

Vejam só: um grupo de professores da UFBA divulgou uma espécie de desagravo contra reportagem da Gazeta do Povo que denunciou a contaminação ideológica num livro didático de Educação Física da Secretaria de Educação do Paraná.

A iniciativa é um sinal evidente da unidade ideológica e estratégica dos grupos que promovem a instrumentalização do conhecimento para fins político-ideológicos. Todos obedecem à mesma doutrina da doutrinação. 

Leiam abaixo a carta de apoio, comentada pelo EscolasemPartido.org.

___________________________________________

Carta de apoio à utilização e aos autores do Livro Didático de Educação Física para o Ensino Médio do Estado do Paraná – Educação Física/ Vários autores. – Curitiba: SEED-PR, 2006. – 232p.

O Grupo LEPEL (Linha de Estudo e Pesquisa em Educação Física, Esporte e Lazer), da Faculdade de Educação (FACED), Universidade Federal da Bahia (UFBA), vem manifestar apoio à utilização e aos autores do livro Educação Física/ Vários autores. – Curitiba: SEED-PR, 2006. – 232p. , pelos seguintes motivos:

1. O livro é utilizado  na formação de acadêmicos do curso de Licenciatura em  Educação Física da Universidade Federal da Bahia e faz parte do conteúdo programático estudado na disciplina de Ginástica Escolar;

2. O livro é utilizado  na formação de especialistas do II Curso de Metodologia de Ensino e da Pesquisa em Educação Física, Esporte e Lazer;

3. O livro foi utilizado em projeto de formação continuada com os professores de Educação Física da rede pública, realizado em parceria com Superintendência de Desenvolvimento da Educação Básica do Estado da Bahia (SUDEB).

4. O livro é constantemente solicitado por professores da rede pública de educação do estado da Bahia para fomentar o trabalho nas escolas públicas em nosso estado.

5. A cópia do livro será distribuída pelo  grupo LEPEL na próxima semana nas escolas públicas de Salvador (08 a 12 de Outubro), durante a III Jornada de Solidariedade e Trabalho Comunitário, através do trabalho a ser realizado pelos estudantes que cursam a disciplina Ginástica Escolar da UFBA.

Comentário do EscolasemPartido.org: Depreende-se dos itens 1, 2, 3, 4 e 5 que o livro didático de Educação Física da Secretaria de Educação do Paraná é um sucesso. Assim como é um sucesso a cartilha ideológica do Mário Schmidt. Isto mostra apenas o tamanho do buraco em que se meteu a educação no Brasil.

6. Com base em experiências cientificamente comprovadas, afirmamos que o conteúdo do livro é adequado, consistente e relevante para a formação humana crítica de alunos do Ensino Médio.

Comentário do EscolasemPartido.org: Desde que se entenda por “formação humana crítica” adestramento anticapitalista, a afirmação está correta.

7. Ressaltamos ainda a iniciativa na produção de livros didáticos públicos que defendem a não apropriação privada do conhecimento produzido pela humanidade e também a iniciativa da Secretaria de Estado da Educação do Paraná (SEED-PR) que fomentou e solicitou a construção do livro por professores de Educação Física concursados no Estado do Paraná que vivenciam na prática a realidade da escola pública.

Comentário do EscolasemPartido.org: Nonsense esquerdista.

8. Aqui na Região Nordeste do Brasil, mais especificamente na Bahia, estado líder no número de analfabetos do país, tivemos acesso ao livro e o temos utilizado constantemente para enfrentar a calamidade em que se encontra não só a educação física, mas toda a educação básica em nosso estado.

Comentário do EscolasemPartido.org: Este livro — no capítulo comentado, pelo menos — só serve para uma coisa: envenenar a alma do leitor desavisado contra o regime capitalista. As poucas abordagens interessantes se perdem na torrente de desinformação e preconceito.

9. Para nós, este material representa um avanço no que se refere à construção de propostas de ensino de Educação Física, voltadas para superação das contradições e desigualdades sociais de nossa sociedade.

Comentário do EscolasemPartido.org: Esse material é um avanço no processo de instrumentalização do conhecimento para fins político-ideológicos, só isso. O desejo de superar contradições e desigualdades não justifica a propagação do erro, da mentira e do preconceito.

10. Para nós o livro trata de forma serena a realidade como ela é. Sem afirmações que não se sustentam em bases científicas como a de que “… o esporte de competição – preferido por 9 entre 10 pessoas…” do Sr. Miguel Nagib. Não há pesquisas que informem e/ou confirmem isto.

Comentário do EscolasemPartido.orgO capítulo objeto da reportagem é tendencioso do começo ao fim. Omite informações importantes e apresenta fatos distorcidos. Os signatários da carta não percebem (ou fingem que não percebem) essas omissões e distorções porque vêem a realidade sob a mesma perspectiva ideológica do autor do texto.

Quanto à afirmação de que o esporte de competição é preferido por 9 entre 10 pessoas, é evidente, para quem saiba ler, que ela não teve a pretensão de ser científica.

11. As críticas realizadas pelo Jornal Gazeta do Povo são infundadas e preconceituosas, o que não ajuda na formação de nossas crianças e jovens.

Comentário do EscolasemPartido.org: Mentira. Infundado e preconceituoso é o livro que vocês elogiam.

12. Por fim, se o jornal está tão preocupado com a formação de nossas crianças e jovens que tal começar a explicar a elas o monopólio da informação praticado por algumas famílias que são donas de todas as redes de mídia – escrita e televisiva – no país. Por que não explicar por que um bem público – a informação – foi apropriado privadamente por aqueles que querem, apenas, impor sua versão dos fatos?

Comentário do EscolasemPartido.org: Delírio esquerdista. Monopólio da informação é coisa de país comunista, onde o Estado e o Partido controlam todos os meios de comunicação e até mesmo o acesso à Internet é proibido. Nas democracias capitalistas a atividade jornalística é exercida por indivíduos ou grupos privados sob o regime da livre iniciativa. Graças à Internet — que só existe por causa do “maldito capitalismo” — qualquer indivíduo que disponha de um computador e uma linha telefônica pode exercer livremente essa atividade. 

Por estes motivos, defendemos a utilização do Livro Didático de Educação Física para o Ensino Médio do Estado do Paraná – Educação Física/ Vários autores. – Curitiba: SEED-PR, 2006. – 232p., indicamos que experiências inovadoras como esta sejam tomadas como exemplo por outros estados do Brasil e nos demonstramos surpresos com as críticas realizadas pelo Jornal GAZETA DO POVO, publicado no Paraná, as quais consideramos infundadas;

Comentário do EscolasemPartido.org: Está claro que os responsáveis pela carta de apoio não só vêem o mundo sob as mesmas lentes deformantes do autor do texto — o que lhes permite afirmar que o livro “trata a realidade como ela é” –, como estão determinados a impingir o uso dessas lentes aos seus alunos, na esperança de que estes as transmitam à próxima geração de futuros professores, e assim por diante, de geração em geração, como acontece nas histórias de vampiros.

Sem mais para o momento, subscrevemo-nos;

Salvador, 28 de setembro de 2007.Grupo LEPEL/FACED/UFBA

Leia a entrevista concedida pelo coordenador do site à Gazeta do Povo

Deixe uma resposta