Mensagem enviada por Vanderson da Silva, em 12.12.2015

Em Florianópolis, onde meu filho frequentou a sétima série em 2012, na mesma escola municipal que teve problemas com a família da criadora do Diário de Classe, convidaram os alunos (meu filho recusou participar) a trocarem os gêneros das vestimentas, entrar em todas as turmas (crianças de 7 anos indo para casa assustadas com o choque da cena), enquanto uma professora de ciências (não deveria ela ensinar sobre fórmulas, reações químicas do que agir como militante da consciência social?) explicava sobre transfobia, lesbofobia, e expuseram no álbum da escola dezenas de fotos.

A pedido de mães (e com o apoio de minha esposa, professora de educação infantil em instituição privada) que não tinham coragem de se expôr e reclamar, consultei o Ministério Público e o conselho tutelar, e orientado por eles fui à direção e fiz vários questionamentos, inclusive sobre o fato de não terem enviado aos pais nenhum aviso ou solicitado assinatura permitindo o que foi chamado de “gincana”, avisando que se o abuso se repetisse eu levaria o material que salvei da própria página da escola para o MP. Aqui abaixo uma das fotos que extraí do álbum da escola antes dele ser excluído na época, onde devidamente borrei as faces das crianças, coisa que não tiveram cuidado.

 

Open chat
1
Olá 😊 !!!! Como podemos ajudar?
Powered by